Escolha uma Página

Quando se fala em processamento de dados, a primeira coisa que vem à mente são os imensos gabinetes emparelhados num ambiente fortemente controlado e segurado por senhas e códigos.  

Para os mais acostumados ao mundo do desenvolvimento, estamos nos referindo à famosa “tela preta”. Seja pelo imaginário dos mais leigos ou pela alcunha utilizada pelos profissionais da área, o Mainframe tem – e sempre teve – grande importância no mundo da tecnologia.  

Neste blogpost falaremos um pouco mais sobre essa poderosa plataforma de computadores. Vamos lá?

 

Milhões de dados em pouquíssimo tempo

Mainframes são computadores de grande porte utilizados para o processamento de uma imensa gama de informações ou dados em curtos espaços de tempo, tudo isso com total segurança, garantindo a continuidade dos negócios das companhias. 

Sua história tem início no ano de 1947 com a necessidade das empresas executarem suas tarefas – antes demandantes de muitos dias para serem concluídas – de forma mais rápida e, ao longo dos anos, apresentou evolução em suas versões até chegar a patamares muito avançados quanto a tecnologia e seguridade.

A principal empresa desenvolvedora de Mainframes no mundo é a IBM, mas outras gigantes da informática como HP (Hewlett-Packard Company) e Unisys também produzem os seus computadores de grande porte. 

Atualmente, existem inúmeros Mainframes espalhados por todo o globo terrestre.

 

Como funcionam?

O Mainframe funciona como uma plataforma que integra diversos computadores através de inúmeros terminais conectados diretamente ou por rede, sendo ele executável em diversos sistemas operacionais. Uma vez que são PCs altamente exigidos, seus hardwares podem ser discos, fitas ou processadores. 

Quanto a seu acesso, ele pode ser físico, por meio de placas, cabos axiais ou fibra ótica ligadas diretamente ao seu terminal, ou lógico, por meio de máquinas virtuais que emulam o sistema operacional do Mainframe. 

Nessas plataformas, a linguagem de programação mais utilizada é o COBOL (sigla em inglês para Common Business Oriented Language, ou “Linguagem Comum Orientada para os Negócios”), uma vez que a mesma define o seu objetivo principal em sistemas comerciais, financeiros, administrativos e governamentais – os principais consumidores do Mainframe.  

O Natural e o Assembly também são linguagens utilizadas nessa tecnologia.

 

Quem utiliza o Mainframe?

Já sabemos que o Mainframe processa muitas informações em pouco tempo com muita segurança e disponibilidade. Por conta disso, essa tecnologia é utilizada hoje em dia por bancos, corretoras, seguradoras, companhias aéreas e demais instituições do ramo financeiro, uma vez que essas organizações possuem em seus negócios um imenso tráfego de transações sendo executadas 24 horas por dia e 7 dias por semana. 

Antigamente, porém, o Mainframe dominou o mercado da informática no processamento de dados, tendo sido utilizado por empresas de diferentes ramos de atuação. 

Atualmente, muito se fala que essa tecnologia está com os “dias contados” no universo da informática. Isso acontece pela concorrência que o Mainframe sofre desde a chegada dos servidores corporativos, que são plataformas consumidoras de menos energia, mais baratas, menores e igualmente performáticas.  

No entanto, sua comprovada segurança, desempenho e evolução contínua têm garantido aos computadores de grande porte vida longa no mercado da tecnologia e do processamento de dados. 

Na Foursys, o Mainframe é utilizado em diversas frentes de trabalho, estando no dia a dia de nossas operações. Essa tecnologia também faz parte da grade de treinamentos de nosso programa de trainee, o Fourcamp. 

Gostou do conteúdo? Então não deixe de conferir os blogposts onde falamos um pouco mais sobre outras tecnologias e linguagens de programação.

 

Leia mais

O poder do Angular e seus benefícios para o desenvolvimento web

FOURCAMP 2021: desenvolvendo aplicativos móveis em Android e iOS