Escolha uma Página

Diversidade, inclusão e equidade são três palavras que atualmente estão em absoluta evidência não só no meio corporativo, mas também em todas as demais esferas da vida social de todas as pessoas. A ideia de uma sociedade mais justa e longe de preconceitos e desigualdades é um mote perseguido por diversos movimentos e, dentro das organizações, a temática tem sido tratada cada vez mais como um indispensável pilar de seus negócios.

A diversidade, inclusão e equidade devem estar sempre no centro do negócio de cada empresa, seja ela de pequeno ou grande porte. Isso porque o compromisso com esses valores transpõe o quão inabalável é a reputação de uma organização.

Que tal conhecer um pouco mais sobre esse tema tão importante para o mundo corporativo e, principalmente, para a Foursys? Então vamos lá!

 

O conceito aplicado dentro do meio corporativo

Segundo o clássico dicionário Michaelis, diversidade é a “qualidade daquilo que é diverso, diferença, dessemelhança […]”. Ou seja, significa variedade e está presente em todos os âmbitos da vida das pessoas. Porém, quando se fala em diversidade dentro das organizações, entende-se que se trata da temática onde existem profissionais com skills, backgrounds e de formas de pensar e enxergar a vida diferentes.

Ainda segundo o Michaelis, inclusão é o “ato ou efeito de incluir(-se), introdução […] de um indivíduo em um grupo […]”. No meio corporativo, trata-se da “sensação de pertencimento”. Esse conceito se passa muito pela cultura de cada empresa, pelo comportamento de seus(uas) profissionais e pela segurança que todos(as) devem ter para expressar suas ideias.

Por fim, o Michaelis define equidade como “[…] equanimidade, imparcialidade, justiça […]”. Trata-se, portanto, da busca pela igualdade dentro da ideia de que cada jornada é individual, com pessoas não partindo de um mesmo lugar – enquanto alguns começam com alguma vantagem, outros enfrentam muitas barreiras no início. Esse conceito visa equilibrar as dinâmicas de poder dentro das empresas tentando alcançar a justiça.

Mas como esses três conceitos se relacionam? Basta utilizar como analogia um caminho, onde a diversidade é o seu início, a inclusão o seu fim e a equidade é a estrada a ser percorrida nessa jornada. Quando dentro das empresas não há ações voltadas para o um ambiente mais diverso, incluso e igualitário, corre-se o risco de terem pessoas pressionadas a se encaixarem em padrões de comportamentos e ideais, que não são estimuladas e/ou reconhecidas por estarem presas a uma estrutura fixa de trabalho que não prioriza vidas pessoais, fazendo com que esses(as) profissionais abandonem a empresa.

Portanto, o ciclo entre esses três conceitos não deve acabar nunca, sendo ele infinito, sempre evolutivo e constantemente aprimorado.

 

Dados dentro do mundo corporativo

Como já descrito no início deste blogpost, a diversidade, inclusão e equidade devem estar alinhados no centro do negócio de cada empresa. Dentro do universo empresarial, nunca se falou tanto sobre esses três conceitos como nos dias de hoje, muito por conta dos inúmeros movimentos sociais que surgiram nos últimos anos e, principalmente, pelos resultados financeiros positivos aliados a ações que resultam em benefícios para a sociedade.

Um dado muito relevante aponta que o tema tem tido sim espaço dentro das organizações. Uma pesquisa realizada em 2020 pela PwC (PricewaterhouseCoopers) no âmbito global mostrou que 76% dos entrevistados acreditam que a diversidade é um valor declarado ou uma área de prioridade para a empresa pela qual trabalha. 33%, porém, tem a opinião de que o tema é uma barreira de avanço para sua organização.

Em outro estudo relevante sobre o tema, realizado e divulgado pela consultoria McKinsey em 2018, evidenciou que organizações que investem em diversidade étnico-cultural obtêm um lucro de 33% acima da média em relação às suas concorrentes. Isso porque o investimento em profissionais com diferentes olhares e formas de pensar ajuda a trazer inovação e, consequentemente, bons resultados.

Por outro lado, existem dados que mostram que algumas empresas ainda não mudaram o seu mindset quando o assunto é a incorporação desses três conceitos como pilar de seus negócios. Um exemplo é a constatação, segundo estudo da revista HSM Management, que 29% das empresas globais (quase um terço do total) não contratam pessoas com deficiência para compor seus times, evidenciando o preconceito aliado a falta de oportunidade a esse grupo de profissionais.

Outro dado negativo diz respeito ao baixo número de mulheres em cargos executivos. Segundo o Instituto Ethos, apenas 13% das vagas de liderança em empresas no Brasil são ocupadas por profissionais do sexo feminino. Outro estudo do Ethos, entretanto, aponta que mulheres em posições estratégicas podem trazer um desempenho financeiro 21% superior.

 

Diversidade, inclusão e equidade na Foursys

Como pessoas é um tema prioritário no mundo corporativo, a Foursys é uma empresa que procura sempre zelar pela diversidade, inclusão e equidade como parte fundamental de seu negócio, aceitando toda e qualquer forma de pensamento e de ser em seu ambiente de trabalho, assim como pessoas de diferentes culturas, origens e etnias.

Vale lembrar que, em novembro de 2021, a Foursys promoveu em suas redes sociais a Semana da Consciência Negra (clique aqui para conferir) e, em dezembro, a Semana da Pessoa com Deficiência (clique aqui para ver), com depoimento de colaboradores(as) de seu time.

Para o ano de 2022, faz parte do planejamento no pilar de Pessoas e Cultura a implantação de ações visando o evoluir e aprimorar cada vez mais esses três conceitos, estando entre elas a adoção de linguagem neutra para comunicação com todos os públicos, processos de seleção com foco em diversidade e workshops sobre o tema, por exemplo. 

Como esse artigo tentou mostrar, a diversidade, inclusão e equidade são conceitos indispensáveis à toda empresa, seja ela de grande ou pequeno porte e independentemente de seu mercado ou negócio, que quer prosperar e se manter alinhada às boas práticas sociais em tempos onde a sociedade está tão necessitada de novas ideias e diferentes formas de pensar.

 

Leia mais

Open Finance: o que é e quais os benefícios para as instituições financeiras e seus clientes?

Saiba porque o Java é a linguagem de programação mais utilizada no mundo

Mainframe: o que é e qual sua importância para o processamento de dados